14/09/2015
Desembargador vê paternalismo exagerado em ações de Direito do Consumidor

Por Giselle Souza

 
Só especialista tem coragem e segurança para decidir contra valores tidos como fundamentais, avalia Werson Rego.

 

As câmaras especializadas em direito do consumidor do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro completaram dois anos de funcionamento no último dia 2 de setembro. Mas em vez de comemoração, a data foi um convite à reflexão. O desembargador Werson Rego, que atua na 25ª Câmara Especializada, constatou ser cada vez mais comum, nesses juízos, decisões que garantem direitos a consumidores mesmo quando não têm razão. Na avaliação dele, isso indica uma tendência ao paternalismo. 

Segundo o desembargador, das 27 câmaras cíveis existentes no TJ-RJ, apenas cinco são especializadas. Essas unidades chegam a receber 45% de todos os recursos que chegam ao tribunal e o volume de processos afugenta seus integrantes. Para driblar isso, a administração estipulou que todo desembargador recém-promovido tem que passar pelo juízo especializado. Assim, as varas são ocupadas por juízes de órfãos e sucessões, de família, criminal e empresarial. 

“Um efeito disso é o que colega que não tem essa especialização, em um primeiro momento, pode achar que, por se tratar de câmara especializada em direito do consumidor, ele tem que proteger o consumidor indistintamente. E com isso a gente corre o risco de transformar as câmaras especializadas em direito do consumidor em câmaras de proteção do consumidor”, acrescenta.

A fim de mudar esse quadro, Rêgo deu início a um projeto que prevê ações múltiplas, sendo a principal delas a formação continuada dos integrantes dessas câmaras e dos servidores que os apoiam. A finalidade é entender o alcance das decisões proferidas.

“O objetivo é estimular o julgador a entender que a decisão dele tem repercussão nas atividades econômicas e ajudá-lo a ter consciência da importância dos julgamentos levarem segurança jurídica, estabilidade e paz aos mercados. As decisões têm que buscar, tanto o quanto possível, o melhor resultado coletivo e não apenas o interesse de um processo específico”, explica.

O ponto alto do projeto ocorrerá no dia 9 de novembro, no TJ-RJ, com a promoção do evento em homenagem ao ministro aposentado do STF Carlos Velloso. Com o título Protagonismo Judicial, Segurança Jurídica e Paternalismo Pretoriano: Desafios em Tempos de Incerteza, a iniciativa debaterá o ativismo judicial. “A ideia é mostrar que o ativismo é importante, mas também que é preciso entendermos os limites desse protagonismo. O julgador tem que respeitar as atribuições constitucionais dos outros poderes”, afirma.

Leia a íntegra da entrevista.

ConJur — Qual é o objetivo do seu projeto ?
Werson Rego —  Estimular o julgador a entender que a decisão dele tem repercussão nas atividades econômicas e ajudá-lo a ter consciência da importância dos julgamentos levarem segurança jurídica, estabilidade e paz aos mercados. As decisões têm que buscar, tanto o quanto possível, o melhor resultado coletivo e não apenas o interesse de um processo específico. O juiz tem que saber como o mercado lê o acórdão. Se julgarmos contra a regra, os mercados vão se proteger. E como? Embutindo o risco nos preços dos serviços e produtos. No final, quem pagará a fatura é o consumidor. Quando um colega pensa que está protegendo um consumidor ao dar a ele um direito que não tem, esta conta será dividida a todos os consumidores daquele mercado. Então, surge a pergunta: será que os outros consumidores, sabendo disso, vão querer pagar esta conta ou vão preferir que o juiz seja rigoroso na análise de quem tem ou não razão?

 

ConJur — Como será possível fazer isso?
Werson Rego — Estamos trabalhando em diversas frentes: a especialização do julgador e qualificação da sua assessoria. A ideia é mostrar que o ativismo é importante, mas também que é preciso entendermos os limites desse protagonismo. Mais ainda: as câmaras do consumidor têm que atuar com o foco de levar segurança. É preciso levar paz, harmonia e equilíbrio para os mercados de consumo. E isso se faz dando razão a quem tem, conferindo direitos a quem tem, sem se preocupar muito se trata-se do fornecedor ou consumidor. Temos que deixar de lado um pouco essa postura de paternalismo exagerado. Não podemos tratar o consumidor como incapaz. 

 

ConJur — Mas essa postura dos juízes não é exigido pelo próprio CDC, que é uma legislação mais protecionista?
Werson Rego — Não existe problema em termos uma legislação paternalista. O problema está no excesso. O Código de Defesa de Consumidor é um exemplo de paternalismo jurídico, mas o vocábulo paternalismo tem que ser desmitificado. Não posso encarar o vocábulo como algo ruim. Paternalismo significa proteção do vulnerável. E é normal as leis que protejam o vulnerável. O CDC cumpre também tem essa finalidade. Neste sentido, temos um paternalismo jurídico positivo, que visa a tutela do vulnerável.

 

ConJur — De que maneira o consumidor é tratado como incapaz?Werson Rego — Retirando dele a responsabilidade pelos atos que pratica. O consumidor que, devidamente informado e esclarecido, que teve o prazo de reflexão, fez a sua escolha e errou, fez uma aposta e não deu certo, tem que ser responsabilizado. Se tudo o que se exigia do fornecedor foi satisfeito, não se pode retirar do consumidor a responsabilidade pelo ato de decidir. Não podemos apenas dizer “ele fez um mal negócio, vamos rescindir o contrato e devolver a ele tudo o que pagou”.

 

ConJur — Há muitas decisões nesse sentido?
Werson Rego —
 A jurisprudência caminha nesse sentido. E se não fizermos algo para corrigir isso, entraremos para a área do paternalismo pretoriano.

 

ConJur — Por que os juízes julgam assim?
Werson Rego — Pela conjugação de dois fatores. O primeiro por um sentimento humano: há uma tendência do ser humano em tutelar e proteger o mais fraco. Segundo, como se tratam de mercados específicos, se o juiz não entender um pouco de economia, a qualidade da decisão fica comprometida, pois ela hipertrofia um aspecto e desconsidera outros. Há também a ausência de visão a longo prazo. Muitas vezes se foca apenas no processo específico, na situação pontual que foi levada ao julgamento, sem se preocupar com a repercussão da decisão a médio e longo prazo e sem se preocupar com os mercados no qual a discussão se estabeleceu.  

 

ConJur — Diante desse cenário, as decisões proferidas em direito de consumidor realmente cumprem a função pedagógica?
Werson Rego —
 Um dos objetivos desse projeto é conferir caráter pedagógico aos julgados das câmaras especializadas, que têm a missão não apenas de decidir os conflitos de interesse, mas também de orientar os mercados e pautar os agentes econômicos ao definir, com objetividade e clareza, o que é certo e o que é errado. Hoje elas [as câmaras] não têm muito essa função pedagógica; os julgados são muito divergentes. As vezes há posições sobre uma mesma matéria conflitantes dentro da própria câmara. A coragem e segurança para decidir contra valores tidos como fundamentais, só o especialista tem. E para fazer isso, tem que ter o domínio da matéria e analisar o caso com muita profundidade para que se possa tomar uma decisão pouco popular.

 

ConJur — Com as câmaras dos consumidores, uma nova demanda eclodiu no Órgão Especial, que são os conflitos de competência para avaliar se determinada matéria deve ser julgada pelas câmaras cíveis ou especializadas em direito do consumidor. Como o senhor avalia isso?
Werson Rego — É natural, primeiro pela novidade. Somos o único tribunal a ter câmaras especializadas em direito do consumidor. Ainda existe muita dúvida. Temos uma especialização regimental, mas até chegar a uma especialização de julgamentos, ainda há um percurso. Daqui a um tempo, quando as câmaras já estiverem melhor estruturadas e houver certa uniformidade de entendimento em relação a questões que têm que ser julgadas, isso vai diminuir substancialmente. Para avançar precisamos estruturar melhor essas câmaras. O ideal também seria especializar mais câmaras do consumidor até pela questão de volume de trabalho. Cinco câmaras respondem por 45% dos processos cíveis do TJ. E as outras 22 dividem os 55% que sobraram. Então é muito trabalho.

 

Giselle Souza é correspondente da ConJur no Rio de Janeiro.

Revista Consultor Jurídico, 14 de setembro de 2015, 8h37